sábado, 26 de junho de 2010

Copa do Mundo da FIFA Suíça 1954


DADOS
·         Equipas: 16
·         Quando: 16 Junho 1954 para 04 Julho 1954
·         Final: 04 Julho 1954
·         Jogos: 26
·         Golos: 140 (média 5.4 por partida)
·         Assistência: 889970 (média 34229)
§  Campeão: Alemanha Ocidental
§  Vice-campeão: Hungria
§  Terceiro: Áustria
§  Quarto: Uruguai
§  Melhor marcador: Sandor KOCSIS (HUN)
RESUMO
Quatro anos depois de o Uruguai silenciar o Maracanã, outra surpresa marcou a decisão da Copa do Mundo da FIFA 1954 a Alemanha Ocidental conquistou o título mundial na Suíça encerrando os 31 jogos de invencibilidade da fortíssima selecção húngara em uma final que ficou marcada como o "milagre de Berna".
Foi um feito tão impressionante quanto a dimensão dos Alpes Suíços onde os alemães se recuperaram de uma desvantagem de dois golos para fazerem 3 a 2 na Hungria que havia vencido o confronto entre os dois países na primeira fase por 8 a 3. Jules Rimet que deixava a presidência da FIFA entregou o troféu com o seu nome a Fritz Walter e o mundo do futebol aprendeu uma nova e importante lição: nunca jamais descarte os alemães.
O Major Galopante
A Hungria chegou à Copa do Mundo da FIFA 1954 com o título não oficial de melhor selecção do mundo. Campeã olímpica em 1952 ela teve 23 vitórias e quatro empates nos quatro anos anteriores à competição na Suíça. Entre os triunfos uma inesquecível goleada de 6 a 3 sobre a Inglaterra em Novembro de 1953 tornando-se o primeiro país estrangeiro a vencer em Wembley. a maior estrela húngara era Ferenc Puskás o "Major Galopante" com a temível perna esquerda forjada no Honved equipa do exército húngaro.
 

A selecção comandada por Gusztáv Sebes tinha jogadores de extremo talento além de Puskás destacavam-se os atacantes Sándor Kocsis e Nándor Hidegkuti e o meidio József Bozsik.

A Hungria jogou um futebol ofensivo e cheio de movimentação que estava à frente do seu tempo, com Hidegkuti actuando atrás de Puskás e Kocsis em um protótipo do 4-2-4. Os húngaros se prepararam para o torneio estraçalhando a Inglaterra por 7 a 1 em Budapeste e marcaram 17 golos nas suas duas vitórias da primeira fase com 9 a 0 contra a Coreia do Sul e 8 a 3 sobre a Alemanha Ocidental, mas este último resultado acabou não contando toda a verdade entre as duas selecções.
Na fase inicial em cada grupo de quatro países os dois cabeças-de-séries enfrentavam somente as duas outras selecções e não jogavam entre si, assim o trinador da Alemanha Sepp Herberger foi para o jogo contra a Hungria sabendo que poderia perder e ainda assim se classificar em segundo lugar se derrotasse em um jogo extra a outra cabeça-de-chave, a Turquia, que os alemães já tinham vencido por 4 a 1. Herberger fez sete alterações assistiu a uma sonora goleada mas levou uma equipe muito mais forte a vencer por 7 a 2 o jogo extra diante da Turquia para chegar aos quartos-de-final.
Chuva de golos
Com 41 golos somente no grupo da Hungria a competição em solo suíço foi a edição da Copa do Mundo da FIFA com o maior número de golos marcados. Em 26 jogos as redes balançaram 140 vezes com uma média superior a cinco por partida, outro recorde foi o de 12 golos em apenas um jogo no confronto entre Suíça e Áustria nos quartos-de-final, os donos da casa fizeram 3 a 0 em 19 minutos levaram cinco golos em um período de apenas dez minutos antes do intervalo e acabaram perdendo por 7 a 5.
 

Mesmo com a chuva de golos os estreantes Coreia do Sul e Escócia saíram sem marcarem golos. A Escócia levou 7 a 0 do Uruguai que provou ser o carrasco britânico ao eliminar a Inglaterra nos quartos-de-final em um jogo que contou com a experiência de Obdulio Varela e Stanley Matthews ambos com 39 anos, apesar da categoria de Matthews foi o Uruguai que venceu por 4 a 2 tanto Varela quanto Schiaffino autor de um dos golos da final de 1950 deixaram as suas marcas entre os marcadores da partida.
 

O adversário seguinte do Uruguai seria o vencedor do confronto dos quartos-de-final entre Hungria e Brasil. Os brasileiros usavam pela primeira vez a famosa camisa canarinho escolhida em um concurso nacional mas a esperança de conquistar o primeiro título mundial acabou após um encontro turbulento que ficou conhecido como a "batalha de Berna". Kocsis que depois viria a ser o goleador da competição com 11 golos balançou a rede duas vezes na vitória húngara por 4 a 2, o jogo ficou marcado por cartões vermelhos para Bozsik e para os brasileiros Nílton Santos e Humberto além de uma briga já nos vestiários.
 

Duas cabeçadas de Kocsis no prolongamento ajudaram a Hungria a obter um resultado idêntico na semifinal diante do Uruguai. A Celeste Olímpica que havia conquistado as duas únicas Copas do Mundo da FIFA que disputara conseguiu se recuperar de uma desvantagem de 2 a 0 com dois golos de Juan Holberg mas no fim teve de aceitar a sua primeira derrota na história da maior competição do futebol mundial enquanto os húngaros enfrentavam dois duelos dilacerantes a Alemanha Ocidental avançava à final sem maiores dificuldades derrotando a Jugoslávia por 2 a 0 e tirando de letra a vizinha Áustria por 6 a 1 nesta última partida os irmãos Fritz e Ottmar Walter marcaram dois golos cada um.

"Clima Fritz Walter"
A final foi disputada em um encharcado Estádio Wankdorf no dia 4 de julho de 1954 as condições do tempo eram um bom presságio para a Alemanha Ocidental pois o capitão e médio Fritz Walter tinha notórios problemas com o calor após ter sofrido com a malária durante a guerra os adeptos alemães comemoraram o que chamaram de "clima Fritz Walter".

Por sua vez a Hungria tinha dúvidas sobre as condições físicas de Puskás que não participara das duas partidas anteriores após ter o tornozelo acertado por Werner Liebrich justamente no primeiro encontro com a Alemanha Ocidental mesmo sem totais condições Puskás abriu o placar aos seis minutos, aos oito os favoritos já faziam 2 a 0 após o guarda-redes alemão Toni Turek largar a bola nos pés de Zoltán Czibor, no entanto só foram necessários mais dez minutos para os alemães empatarem, o primeiro golo veio com uma finalização de Morlock depois foi Rahn quem concluiu um pontapé de canto cobrado por Fritz Walter.
 

A chuva seguiu torrencial a tensão aumentou e somente o ferro impediu o golo de Hidegkuti mas faltando somente seis minutos Rahn pegou a bola na entrada da área e chutou de perna esquerda no ângulo ainda houve tempo para Puskás ter um golo anulado pelo arbitro assistente antes de o apito final confirmar a derrota da Hungria e o nascimento de uma nova potência mundial.

                                              CURIOSIDADES
A Hungria marcou 25 golos em quatro jogos para chegar até a final 18 a mais que os convertidos pela Inglaterra em cinco jogos no caminho até a decisão em 1966;
O Uruguai bicampeão do mundo em 1930 e 1950 só foi perder contra a Hungria a sua invencibilidade em jogos da Copa do Mundo da FIFA. A partida teve direito ao prolongamento e terminou 4 a 2 para os europeus;
A Suíça abriu 3 a 0 sobre a Áustria pelos quartos-de-final mas os austríacos se recuperaram e venceram por 7 a 5. Os 12 golos ainda são o recorde da história da competição;
Nos dois jogos que jogou pela Copa do Mundo da FIFA o turco Mamat Suet marcou dois golos antes dos dez minutos de jogo um deles na derrota por 4 a 1 para a Alemanha Ocidental e o outro na goleada de 7 a 0 sobre a Coreia do Sul;
O Grupo 4 contou com Suíça, Inglaterra, Itália e Bélgica única ocasião em que um grupo da primeira fase teve somente selecções do mesmo continente.