quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Polémica: federação cabo-verdiana de futebol recusa patrocínio com grande marca

Tudo o que acontece com a federação cabo-verdiana nem sempre aparece nos media de Cabo Verde pois ou a imprensa não sabe ou procura saber e como a FCF não tem site (em pleno século XXI) não conseguem nenhuma informação.



A mais recente recente polémica tem haver com que dois jovens conseguiram em nome da federação mas estes resolveram assinar com a Tepa, actual patrocinadora.  

Edder Pereira e Derik Lopes receberam um pedido da FCF de procurarem um patrocinador para os Tubarões Azuis no final do mês de Janeiro e no inicio do mês seguinte eles enviaram 5 convites para marcas desportivas. Das 5 apenas dois responderam sendo que a MACRON Sportswear foi a que deu resposta positiva aos dois que reapoderam sim a federação por amor a camisola.

A MACRON patrocina vários clubes como Lázio e Bolonha da Itália, West Ham e Aston Villa da Inglaterra, Mallorca e Betis de Espanha, Monaco e Le Mans da França, AZ Alkmmaar e Willem da Holanda e Braga de Portugal. A MACRON tambem patrocina equipas de basquetebol, voleibol entra outras modalidades: http://www.macron.com/

Se tudo tivesse dado certo Cabo Verde seria a primeira selecção que eles iriam patrocinar, mas não deu certo.

A MACRON anunciou a 11 de abril por e-mail que queria cooperar com a FCF, eles queriam um contrato com a duração de 4 anos mas este veio a ser recusado pela FCF na pessoa de Cândido Carvalho que queria 2 em vez de quatro anos. A empresa pedia apenas a garantiam que a FCF conseguisse vender 3.000 camisolas aos adeptos num valor que rondaria cerca de 25€ (Preço de fabrica), cerca de 2.700$00, mas a FCF podia determinar o preço da venda.

O que Edder e Derik não sabiam era que Mário Semedo e Inorlando da Luz (representante da TEPA) já tinha um pré-acordo entre FCF e TEPA num valor que rondavam cerca de 8.000€ que eram os custos feitos para a produção do equipamento para a selecção. Mário Semedo enviou para a reunião em Itália Inorlando da Luz  e Cândido Carvalho para estarem presentes e tentarem um acordo na tentativa de recompensar a perda de Inorlando da Luz, representante da TEPA que.

A MACRON convida Mário Semedo para este deslocar-se a Itália e familiarizarem-se e negociarem o contrato mas este enviou um outro representante que é membro da federação mas que não tinha autoridade de assinar nada, Cândido Carvalho. A FCF achou que não conseguiria vender 3.000 camisolas da selecção nacional de Cabo Verde.
Da esquerda para a direita: Inorlando da Luz, Derik lopes, Sr. Andrea (diretor executivo MACRON), Sr. Candido Carvalho, Sr. Van Der Gijp (diretor MACRON Holanda) e Edder Pereira.
Assim sendo Derik e Edder, que tinham pedido patrocínio em nome da federaçao, e a MACRON terminaram imediatamente as negociações.